Mário Reis exalta desempenho de companheiros e explica ausência no Pan-Americano de Jiu-Jitsu 2015

Nicholas, Mario Reis e Monique

 

 Acostumado a figurar constantemente entre os melhores atletas do jiu-jitsu mundial, Mário Reis viveu uma experiência diferente no último fim de semana. Campeão do Pan-Americano de Jiu-Jitsu no ano passado, o gaúcho preferiu não entrar em ação na edição 2015, disputada entre os dias 11 e 15 de março, na Califórnia, mas viu dois de seus pupilos brilharem nos tatames. Enquanto Nicholas Mereghali faturou a competição no pesado e absoluto (faixa roxa), sua esposa e aluna Monique Elias conquistou o título feminino dos pesos médios na faixa preta. Mario ainda viu seu aluno faixa azul Fabio Alano ser campeão em sua categoria e vice no absoluto. Além de Mario, seus três alunos também são atletas Koral Team.
Atento a tudo que acontecia dentro de um dos eventos mais importante da arte suave no mundo, Mario não escondeu a felicidade por acompanhar o bom desempenho de seus companheiros. Além disso, fez questão de frisar o poder de superação de Monique Elias, sua aluna e esposa, que se mostra muito bem em seu primeiro ano como faixa preta.
“Apesar de não ter entrado para lutar, fiquei muito feliz com o desempenho dos meus companheiros e alunos. O Nicholas foi muito bem e está se tornando um lutador cada vez mais completo. A Monique, por exemplo, mostrou muita força de vontade para conquistar o título. Ela se lesionou durante um duelo no absoluto, mas resolveu voltar e lutar o peso médio. Mesmo lutando com atletas de altíssimo nível, ela mostrou que pode superar suas adversidades e ser uma grande campeã. Costumo dizer que o atleta precisa estar além do seu limite nos treinos e competições, foi isso que ela demonstrou durante o campeonato. Estou muito orgulhoso pelo seu desempenho’
Multicampeão na luta agarrada, Mário Reis explicou os motivos que o levaram a abrir mão de uma disputa tão importante. Com um tricampeonato pan-americano em sua bagagem, o peso-pena preferiu reservar suas forças para o World Professional Jiu-Jitsu Championship, marcado para abril, e o Campeonato Mundial, previsto para maio.

“Minha decisão de não ter lutado o Pan-Americano foi motivada por uma decisão pessoal, já que sou tricampeão desta competição. Meu foco neste momento está em conquistar o World Pro, em Abu Dhabi (EAU), no próximo mês, então preciso estar muito bem condicionado. É um título que eu não tenho e desejo muito. Não quero correr o risco de me lesionar e não poder estar lá. Além disso, daqui a dois meses também estarei disputando o Campeonato Mundial, nos Estados Unidos. Essas duas competições estão entre as minhas prioridades para este ano, por isso estou fazendo um planejamento muito bem elaborado”, concluiu o atleta patrocinado pela Koral Fight Co.